Copenhagen – Paraíso dos ciclistas

LRM_EXPORT_20180807_220816[1]

Olá!

Há quase exatamente um mês visitei a capital da Dinamarca, Copenhagen. É uma cidade ríquissima e caríssima, mas o que mais me chamou a atenção não foram os belíssimos prédios ou as atrações turísticas no geral e sim a infra-estrutura das ruas. O planejamento da cidade inclui a bicicleta como um meio de transporte reconhecido.

Claro que em quase todas as principais cidades alemães a construção de ciclovias anda a todo vapor. Em Copenhagen, diferentemente de Hamburgo, por exemplo, as ciclovias ficam sempre no asfalto, entre os carros estacionados e a calçada. As ruas são via de regra bem largas, o que permite que as ciclovias tenham às vezes quase dois metros de largura. As ruas para os carros, por sua vez, é bastante vazia. Tão vazia, que em grandes avenidas é possível atravessar fora da faixa de pedestres.

Os ciclistas pedalam tranquilamente, sem atropelar ou assustar as pessoas com a campaínha das bicicletas (o que é muito diferente da Alemanha). Além disso, eles até evitam tocar a campaínha e, ao invés disso, assobiam 🙂

Se você for visitar Copenhagen, não deixe de alugar uma bicicleta! É uma experiência incrível pedalar por lá. E sai até mais em conta do que pagar pelo transporte público.

Você já visitou a Dinamarca? O que achou? Já pedalou em outras cidades?

Comente aqui ao lado 🙂

Auf Wiedersehen,

Livia.

Anúncios

Trilha no Parque Nacional Peneda-Gerês

Olá!

Mais um capítulo da minha viagem ao norte de Portugal foi a trilha que fiz no Parque Nacional Peneda-Gerês. Este parque é muito grande, existem diversas trilhas lá e, como eu estava hospedada em Porto, não deu para conhecer o parque inteiro.

Optei pela trilha Fojo da Portela da Fairra. É uma trilha curta (6 km e mais ou menos 3 horas de duração) e de dificuldade fácil. Ela também é bem sinalizada e você percebe logo se não estiver seguindo pelo caminho previsto. Algo que facilita a jornada é o fato da trilha ser circular, então não é preciso voltar tudo no final e você aproveita diferentes vistas durante todo o passeio. Mais uma vantagem foi a ausência de turistas por lá. Eu tive o lugar todo só para mim!

A trilha se inicia na aldeia de Parada. Uma aldeia pequena, que nos faz viajar no tempo. É possível escutar os animais ao longe e os moradores me olharam com muitos pontos de interrogação na expressão facial (o que ela está fazendo aqui?). Lugar muito pacato!

20170524_170650[1]

Aldeia de Parada

No dia que fui estava muito calor e quase não havia sombra durante a subida. O início foi, por isso, bem cansativo. Porém, as paisagens valiam muito a pena! Além da aldeia, a outra principal atração é uma antiga armadilha para lobos (o fojo de cabrita). Trata-se de uma área cercada por um muro de pedra, para onde os caçadores atraíam os lobos ibéricos e, uma vez presos dentro da armadilha, eles eram mortos pelos caçadores.

Aqui abaixo está uma foto de um fojo de cabrita. Não é a da trilha que fiz, pois não consegui encontrar a foto que eu mesma tirei.

dsc09722

Foto retirada do Google

No final, é possível apreciar a Albufeira da Barragem de Paradela. A foto está logo abaixo:

20170524_162456[1]

A trilha foi bem cansativa, não pelo esforço físico, mas por causa do calor que estava fazendo no dia. Mesmo bebendo muita água, a falta de sombra tornou a caminhada bem mais exaustiva. Entretanto, tudo valeu muito a pena! Foi uma aventura bem divertida e eu espero ter a oportunidade de fazer outras trilhas neste parque incrível!

Auf Wiedersehen,

Livia.

Chaves: minhas raízes

Olá!

Um dos meus sonhos de infância sempre foi conhecer a terrinha da minha vovó. Ela vem de uma aldeia que se chama Agrações. Esta aldeia fica há uns trinta minutos de carro da pequena cidade de Chaves. Chaves, assim como a terra de minha avó ficam numa região de Portugal chamada Trás-os-Montes. É a região (economicamente) mais pobre do país.

No dia seguinte ao que conhecemos Braga e Guimarães finalmente realizei o sonho de visitar o lugar. Nós passamos primeiramente em Chaves, para depois seguirmos numa estrada bem estreita, subindo os morros até encontramos a aldeia de Agrações.

Aqui estão algumas fotos de Chaves:
20170519_13201420170519_13213220170519_133017

Inscrições da Ponte20170519_133513
                                                                     Ponte Romana

A cidade não chega a trinta mil habitantes. Sua principal atração é a ponte romana. Quase não encontramos turistas por lá, o que tornou o passeio ainda mais tranquilo. O custo de vida lá é muito barato e as pessoas parecem levar a vida de modo muito simples.

Para seguir até a aldeia, usamos o GPS do celular, com muito medo de que o sinal acabasse conforme nos aproximávamos do “meio do nada”. Acontecesse que o nordeste de Portugal é uma região muito inóspita. Não há quase conexões de trem, por exemplo.

Para a nossa supresa o sinal pegou até o fim e encontramos a terrinha. Tiramos muitas fotos, entre elas estão algumas abaixo.

A aldeia foi sendo abandonada a cada geração, já que os jovens foram emigrando. Menos de 20 pessoas vivem lá hoje em dia. Eu contei quatro casas que pareciam realmente habitadas. A minha avó casou na capela da foto. Minha tia foi batizada lá. Tudo isso há décadas atrás!

A próxima etapa da viagem era ir até a aldeia vizinha, Póvoa d’Agrações, onde minha onde minha bisavó foi enterrada. Entretanto, a estrada estava muito perigosa para passar de carro e, andando levaríamos mais de uma hora para chegar lá. Estacionamos o carro e tentamos ir por um atalho, por uma trilha por dentro da floresta.

O caminho parecia nunca diminuir e a floresta foi fechando. Por isso decidimos voltar para o carro e não seguir com a ideia… dentro da mata vimos algumas ruínas do que teria sido um outro assentamento.

20170519_153513.jpg

Ruínas no meio da mata

Uma pena não termos conseguido chegar ao nosso último destino, quem sabe da próxima vez!

As aventuras de Portugal ainda não chegaram ao fim. Em breve contarei mais histórias por aqui.

Auf Wiedersehen,

Livia.

Braga e Guimarães

Olá!

Depois de muito passear em Porto nos primeiros dias,  nós alugamos um carro e nossa primeira road trip foi até Braga e Guimarães, duas cidades não muito distantes.

Uma informação importante sobre as auto-estradas em Portugal (que por sinal, são super modernas) é que elas são pagas. Existem diferentes formas de pagamento e nós acertamos tudo logo ao pegar o carro. As estradas nacionais, no entanto, são livres, mas esta opção torna a viagem bem mais longa. Nós preferimos ir pelas autoestradas pagas e voltar pelas livres, assim dá pra conhecer um pouco melhor do interior do país e economizar um pouco nos gastos.

Viajamos primeiramente até Braga, uma cidade relativamente grande e com muitos estudantes. Passeamos um pouco por lá, vimos as principais praças e pontos turísticos, e já partimos para Guimarães, uma de minhas cidades preferidas até o momento!

Aqui estão algumas fotos que tirei em Braga:

20170518_133524

20170518_143303

20170518_142221

Guimarães é conhecida por ser a primeira capital de Portugal, onde o primeiro rei português nasceu. Cidade muito antiga, as principais atrações são o Palácio dos Duques de Bragança e o Castelo de Guimarães. Coincidentemente passamos por lá no dia internacional do museu e nossa entrada no Palácio foi de graça.

Depois de muito “turistar”, lanchamos numa praça super charmosa. A cidade simplesmente me encantou! Vejam algumas fotos de lá:

20170518_170719

20170518_175423

Para mais fotos é só dar uma olhada no meu instagram! 🙂

Nos próximos dias vou contar um pouco das seguintes road trips que fizemos explorando o norte de Portugal! Espero que gostem.

Auf Wiedersehen,

Livia.

Férias no meio do semestre (Update)

Olá!

Eu gostaria primeiramente de avisar que este blog não morreu! Porém, faltam-me temas e tempo para escrever. Este texto é só um curto update do que está acontecendo ultimamente.

O meu segundo semestre na Universidade começou no final de março e os horários são bem inconvenientes (tem dias que tenho poucas aulas e outros que tenho aula até às 20 horas). As últimas semanas foram de muito estudo e muito trabalho e, por isso, decidi tirar férias. Aproveitando que na próxima semana não haverá aula, meu marido e eu vamos voar para Portugal e explorar o norte deste lindo país! Estaremos hospedados no meu lugar preferido do mundo!

Eu espero que por lá eu me inspire e consiga escrever histórias legais sobre a viagem.

Vocês já foram a Portugal? Pretendem ir? Contem-me nos comentários!

Auf Wiedersehen,

Livia.

 

 

Como conheci meu lugar preferido do mundo (até agora)

Olá!

Minha primeira viagem sozinha como Au pair foi para Portugal. Eu fiz essa viagem com uma outra Au pair que morava na mesma rua que eu. Não tínhamos muito dinheiro para gastar, então organizamos tudo de uma forma que saísse muito barato e por isso a jornada foi longa: fizemos uma viagem de ônibus até Düsseldorf que durou aproximadamente 5 horas, de lá um trem até o aeroporto e por fim o vôo até a cidade de Porto.

Chegamos no aeroporto de Porto lá pela meia noite, ainda pegamos o metrô até o hostel. Subindo as escadas da estação, já perto da uma da manhã, estávamos as duas mal humoradas e querendo chegar logo e dormir.

Foi então que pisamos no centro da cidade, olhamos ao redor e começamos a rir. Nosso humor mudou completamente ao nos depararmos com a seguinte vista:

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Imagem retirada do google.

Resumindo, Porto se tornou naquele momento o meu lugar preferido do mundo (até agora)! A cidade é linda e eu adorei a atmosfera de lá.

E você? Tem algum lugar favorito do mundo? Qual?

Auf Wiedersehen,

Livia.

Praga

20160828_190852

Olá!

No último sábado meu marido e eu fizemos uma viagem de trem até Praga, na República Tcheca. Foram mais ou menos seis horas de viagem. Partimos às 9 horas e chegamos no hotel às 15:40. Deixamos nossas coisas por lá e fomos comer em um restaurante e passear pelas margens do rio Moldava.

No segundo dia, domingo, andamos pela cidade antiga, que estava lotada de turistas. Como estava fazendo um dia lindo e muito calor, decidimos não visitar museus e ficamos mesmo aproveitando as paisagens. À tarde fomos até um parque mais afastado e sem turistas, colocamos nosso lençol na grama e aproveitamos a vista. Quando começou a escurecer, procuramos um restaurante e jantamos. Eu comi o melhor gnocchi da minha vida! Antes de voltar para o hotel ainda visitamos outros parques.

O centrão turístico de Praga tem inúmeras linhas de bondes, todas muito bem conectadas e é muito fácil também andar por todos os lugares, já que todas as atrações turísticas são muito próximas umas das outras.

20160828_121142

No penúltimo dia paramos na estação Újezd, e andamos por um parque enorme que se pode explorar durante horas e horas. Nós decidimos subir na Petřín Lookout Tower, também conhecida como a Eiffel Tower de Praga. Lá no topo, o vento balança tudo (e dá medo!!), mas a vista é incrível!

Há muito o que se ver em Praga. Em toda a direção que você olha tem um prédio magnífico. Foi uma viagem inesquecível e com certeza fiquei com vontade de voltar lá.

20160829_175901

Além disso, a cidade ainda é uma opção mais barata por conta da moeda ser menos valorizada. Não é nada super barato, afinal, estamos falando de uma cidade turistica. Porém, se a compararmos a outras cidades turísticas na Europa, Praga continua sendo uma alternativa mais econômica.

E você, já visitou Praga? Como foi sua experiência?

 

Auf Wiedersehen

Lívia